É uma doença inflamatória infecciosa, causada por bactérias que atingem o parênquima renal e o bacinete (porção do rim dilatada em forma de funil), cuja função é facilitar o fluxo da urina pelos ureteres, para que seja armazenada na bexiga e depois, eliminada pela uretra.

Geralmente, a pielonefrite provoca inflamação e leva ao aparecimento de alguns sintomas. São eles: dor na região lombar, vontade constante de urinar, febre, mal-estar e dor pélvica.

É imprescindível que ela seja identificada e tratada rapidamente, pois assim é possível evitar que a inflamação se agrave e resulte na perda de função dos rins.

Tipos de pielonefrite

A pielonefrite pode ser aguda ou crônica. Quando se dá no quadro agudo, surge de uma hora para outra comprometendo o funcionamento dos rins. Na maioria das vezes, trata-se de um quadro reversível, porém se não tratada corretamente pode evoluir para uma doença renal crônica.

Na forma crônica provoca a perda gradativa do funcionamento dos rins por conta de uma doença secundária como diabetes tipo 2 ou hipertensão arterial, por exemplo. Ou também por conta de infecções urinárias repetidas ou mal curadas que podem levar à falência dos rins.

Causas da doença

Normalmente, a pielonefrite aparece como resultado de uma infecção urinária mal tratada. Neste caso, as bactérias presentes no trato urinário sobem pelos ureteres e se instalam nos rins, proliferando-se até causar inflamação. As principais bactérias relacionadas com a pielonefrite são Escherichia coli, Proteus sp., Klebsiella sp. e Pseudomonas aeruginosa.

Além disso, a doença pode ser consequência de uma infecção generalizada, em que a bactéria que está causando infecção em outro órgão atinge a corrente sanguínea e chega até os rins, onde permanece resultando na pielonefrite.

Diagnóstico

O diagnóstico é realizado pelo urologista através da análise dos sintomas, principalmente quando ocorre febre alta, calafrios e dor lombar. Soma-se a isso o exame clínico de hemograma completo, o exame de urina tipo I e a urocultura com antibiograma, ferramentas úteis para confirmar a infecção e identificar qual o agente infeccioso.

Tratamento

No primeiro momento, o foco é o alívio da dor através do uso de analgésicos. E, de acordo com as orientações médicas do urologista, indica-se também o uso de antiinflamatórios e antibióticos. Conforme a gravidade do caso pode-se introduzir medicação intravenosa por até 21 dias.

Aqui no CBU seguiremos atendendo normalmente até o final do ano (exceto dias 31/12 e 01/01). Se precisar de atendimento de urgência ou acompanhamento médico, entre em contato conosco.