Quem são os pacientes indicados a fazer a reposição de testosterona? Confira.

A testosterona é um hormônio sexual masculino fundamental para o bom funcionamento do organismo. Apesar de muito associada a libido e ao ganho de massa muscular, a testosterona é parte importante de diversas funções, como as cognitivas e energéticas. A baixa deste hormônio pode causar prejuízos a saúde do homem. São exemplos de sintomas a diminuição do raciocínio, da memória, da disposição, da libido, da força e até mesmo das ereções.

Este distúrbio hormonal pode ocorrer entre homens e mulheres em alguma fase de sua vida, mas o seu tipo mais comum é após aos 40 anos em homens do sexo masculino. Grande parte dos homens apresentará esta baixa na produção de testosterona, o que recebe o nome de deficiência androgênica do envelhecimento masculino (DAEM).

Entenda melhor a Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino

A DAEM é marcada pelo declínio da testosterona, processo natural que pode ocorrer após os 40 anos de um homem. É diagnosticada com o apoio de exames laboratoriais e clínicos realizados pelo médico Urologista.  Nestes casos, a reposição hormonal é considerada uma alternativa terapêutica segura e eficaz.

Administrar testosterona em pacientes que não possuem a condição clínica necessária para recebê-la pode causar danos sérios a saúde.

Cuidados importantes na reposição de testosterona

A reposição de testosterona deve ser feita por um médico especialista que conheça a forma de bem fazê-la, bem como as contraindicações desta conduta (alguns tipos de câncer, desejo da paternidade, etc).

A reposição de testosterona não é aprovada para fins estéticos, como no antienvelhecimento e modulação hormonal para ganho de massa magra.

Se você possui sintomas que possam indicar a presença da deficiência androgênica do envelhecimento masculino, consulte um Urologista.

Para agendar uma consulta com um dos especialistas do CBU ligue para 3046-3690 ou clique aqui e faça o agendamento online.